A configuração do insólito em “O Largo do Mestrevinte” (1958) de José J. Veiga

Autores/as

  • Marcia Machado de Lima Universidade Federal de Rondônia

Palabras clave:

Espaço-performer, Espaço literário, Insólito, José J. Veiga, Teoria da narrativa

Resumen

O artigo analisa a tensão que engendra a trama e, gradualmente, enreda o narrador em deslocamentos intensos, a significar, no ápice, a luta pela vida, em “O Largo do Mestrevinte”, conto de José J. Veiga. Porém, se o homem adulto atônito ignora a experiência, o mesmo movimento não é dado como opção ao leitor. O espaço torna-se performer e produz o estranhamento acerca do real. A partir das contribuições do estudioso espanhol David Roas sobre a desestabilização do real na literatura fantástica e de apontamentos sobre a performatividade, tanto no teatro como na sociologia, será abordada a configuração do espaço ficcional e como logra propor a questão “o que significa estar no mundo?” ao instalar o insólito.

Publicado

2020-12-18

Cómo citar

Machado de Lima, M. «A configuração Do insólito Em “O Largo Do Mestrevinte” (1958) De José J. Veiga». Tenso Diagonal, n.º 10, diciembre de 2020, pp. 227 -40, https://tensodiagonal.org/index.php/tensodiagonal/article/view/285.

Número

Sección

Zona de Clivaje - artículos